[email protected]

Rua C, s/n - Centro Político Administrativo, Cuiabá - MT, CEP 78049-913 - Tel (65)3613-7236

Falta verba em MT para novas metas sustentáveis

Alcançar as metas de sustentabilidade propostas pelo governo de Mato Grosso, na Estratégia Produzir, Conservar e Incluir (PCI) custará R$ 205 bilhões até 2030,segundo estudo do Instituto PCI realizado em parceria com o Instituto Internacional para Sustentabilidade (IIS). Porém, a administração estadual não tem 75% desses recursos em caixa ou programados. Apenas R$ 54,6 bilhões estão cobertos por projetos em execução neste momento, pelo crédito rural a ser disponibilizado nos próximos anos e pelo orçamento do Executivo mato-grossense.

Diante da “lacuna”, o estudo defende uma mobilização dos setores público e privado, incluindo a sociedade civil, para levantar recursos para investimento. O documento elenca oito alternativas de fonte de financiamento, entre elas doações, títulos verdes e fundos de investimento ou lastreados em carbono. De acordo com a pesquisa, instrumentos econômicos que não onerem os cofres públicos tendem ater mais êxito.

Pouco mais de R$ 120 bilhões que faltam ser levantados devem ser destinados a melhorias e adequações dentro das propriedades rurais, como recuperação de pastagens degradadas, plantio de florestas, aumento de produtividade e recomposição de reservas legais e Áreas de Proteção Permanente (APPs).

Outros R$ 30,1 bilhões serão aplicados na regularização fundiária, controle de desmatamento, Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), Cadastro Ambiental Rural (CAR), e gestão de Unidades de Conservação e Terras Indígenas.

As metas do governo, no âmbito da PCI, são audaciosas: ampliar o plantio de grãos em áreas de pastos degradados de 9,5 para 12 milhões de hectares, recuperando2,5 milhões de hectares que apresentam baixa produtividade, além de aumentar a área sob manejo florestal sustentável para 6 milhões de hectares, entre outros pontos.


O Estado também projeta reduzir o desmatamento da Amazônia e do Cerrado, em90% e 95%, respectivamente, e incentivar a manutenção de 1 milhão de hectares que poderiam ser desmatados legalmente, como previsto no Código Florestal.

Publicado pelo Valor em 28.Outubro.2021 em: https://valor.globo.com/agronegocios/noticia/2021/10/28/falta-verba-em-mt-para-novas-metas-sustentaveis.ghtml